ORQUESTRA JOVEM DE UBERLÂNDIA.

Deixe um comentário

Nós da Escola Estadual Joaquim Saraiva tivemos o privilégio de receber a ORQUESTRA JOVEM DE UBERLÂNDIA.

Conheça abaixo um breve histórico do Projeto Orquestra Jovem de Uberlândia.

O Projeto Orquestra Jovem de Uberlândia, com sua sede no bairro alvorada, iniciou-se em 2005 sob o patrocínio do Instituto Algar, empresa de grande destaque em nossa cidade. E nestes oito anos o Grupo Algar e a Orquestra Jovem mantem uma excelente e duradoura parceria.

De um grupo inicial com 44 alunos, selecionados dentre os estudantes da Escola Estadual Lourdes de Carvalho, expandiu seu atendimento para um número aproximado de 100 alunos, oriundos de escolas públicas do Bairro Alvorada e região.

O valor maior desse projeto social está na formação humana, a utilizar como recurso o ensaio da música. Alguns dos alunos do projeto já alcançaram a profissionalização como músicos.

Outros frequentam o curso superior em música na Universidade Federal de Uberlândia e outros, ainda, com o alargamento da perspectiva que lhes trouxe a participação no Projeto, fizeram-se alunos universitários em diversas áreas do conhecimento.

Tem como gestor e proponente Flávio Santos.

Afonso Quianzala como diretor artístico. 

 

Imagem

 

ImagemImagemImagem

PROVINHA BRASIL

2 Comentários

Imagem

 

A Provinha Brasil é uma avaliação diagnóstica do nível de alfabetização das crianças matriculadas no segundo ano de escolarização das escolas públicas brasileiras. Essa avaliação acontece em duas etapas, uma no início e a outra ao término do ano letivo. A aplicação em períodos distintos possibilita aos professores e gestores educacionais a realização de um diagnóstico mais preciso que permite conhecer o que foi agregado na aprendizagem das crianças, em termos de habilidades de leitura dentro do período avaliado.
A partir das informações obtidas pela avaliação, os gestores e professores têm condições de intervir de forma mais eficaz no processo de alfabetização aumentando as chances de que todas as crianças, até os oito anos de idade, saibam ler e escrever, conforme uma das metas previstas pelo Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação.
A Provinha Brasil é elaborada pelo Inep, e distribuída pelo MEC/FNDE para todas as secretarias de educação municipais, estaduais e do Distrito Federal. Assim, todos os anos os alunos da rede pública de ensino, matriculados no segundo ano de escolarização, têm oportunidade de participar do ciclo de avaliação da Provinha Brasil.

Quem é avaliado?

A Provinha Brasil foi elaborada para ser aplicada às crianças que estão matriculadas no segundo ano de escolarização de cada unidade de ensino. Diante da existência de diferentes regimes adotados nas escolas, participam da Provinha Brasil os alunos que estão:

  • no 2º ano: em escolas onde o ensino fundamental tiver duração de nove anos;
  • na 2ª série: em escolas onde o ensino fundamental tiver duração de oito anos e não possuir um ano anterior à 1ª série dedicado à alfabetização;
  • na 1ª série: em escolas onde o ensino fundamental tem duração de oito anos e possui um ano destinado à alfabetização, anterior a essa série, como classes de alfabetização ou o último ano da educação infantil dedicado ao início do processo de alfabetização.

Apesar da diferença na média de idades dos alunos que farão o teste, isto não representa um problema, visto que o foco dessa avaliação está na contribuição da educação formal para a alfabetização. Por isso, se tomou como referência o 2º ano de escolaridade.

Quem aplica?

Dependendo do foco que o gestor atribua à avaliação, o teste poderá ser aplicado:

  • pelo próprio professor da turma, com o objetivo de monitorar e avaliar a aprendizagem de cada aluno ou turma;
  • por outras pessoas indicadas e preparadas pela secretaria de educação, com a proposta de obter uma visão geral de cada unidade escolar, das diretorias ou de toda a rede de ensino sob a administração da secretaria.

É possível fazer uma junção desses dois objetivos, solicitando aos professores que realizem a aplicação e encaminhem uma cópia dos resultados para a secretaria de educação. Dessa maneira, ao mesmo tempo em que os professores terão um diagnóstico das suas crianças, os gestores da rede de ensino contarão com elementos para subsidiar a elaboração das políticas educacionais.
Em qualquer um dos casos, para implementar a Provinha Brasil é necessário que as secretarias de educação planejem as formas de aplicação e correção dos testes, assim como a interpretação, a utilização e a divulgação dos resultados, de acordo com os objetivos definidos para a avaliação.

Quem corrige?

Os resultados poderão ser corrigidos pelo próprio professor da turma ou pelo aplicador do teste. Assim, o professor poderá saber o nível de desempenho de sua turma de modo imediato. Da mesma forma, os resultados de cada turma poderão ser coletados e agregados, a fim de ser ter um panorama da escola ou de toda a rede municipal ou estadual.

Resultados

Com o resultado da correção em mãos, é possível identificar qual o nível de alfabetização que os alunos encontram-se. No documento Guia de Correção e Interpretação de Resultados, são descritos os cinco níveis de desempenho, identificados a partir das análises pedagógica e estatística das questões de múltipla escolha. A partir da identificação das habilidades e da medida do grau de dificuldade das questões, foram definidos quantitativos mínimos de questões que caracterizam cada nível de alfabetização e letramento inicial que as crianças demonstraram. Por isso, cada teste possui um número distinto de questões para identificação de cada nível.

Cabe ressaltar, ainda, que a interpretação das respostas dos alunos não pode ser feita a partir do erro ou do acerto a uma questão isolada. O acerto ou o erro a uma única questão é definido por uma série de fatores circunstanciais. Dessa forma, apenas um conjunto de acertos pode garantir uma descrição segura do desempenho do aluno.

 

Confira os videos neste link abaixo e intenda melhor sobre esta avaliação.

http://provinhabrasil.inep.gov.br/videos-e-campanhas